Artigos Pedagógicos
  Avaliação Educacional
  Escola Digital
  Educação a Distância
  Educação Inclusiva
  Educação Infantil
  Estrutura do Ensino
  Filosofia da Educação
  Jovens e Adultos
  Pedagogia Empresarial
  Outros Assuntos
 História da Educação
 Linhas Pedagógicas
 Metodologia Científica
 Projetos/Planejamento
 Biografias
 Textos dos usuários

 Listar Todas
 Por Níveis
  Educação Infantil
  Ensino Fundamental I
  Ensino Fundamental II
 Por Disciplinas
  Matemática
  Língua Portuguesa
  Ciências
  Estudos Sociais
  Língua Inglesa
  Língua Espanhola

 Jogos On-line
 Desenhos para Colorir
 Contos e Poesias

 Glossário
 Laifis de Educação
 Estatuto da Criança
 Indicação de Livros
 Links Úteis
 Publique seu Artigo
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

  
Psicanálise Freudiana e Educação: os Professores enquanto Substitutos Paternos na Adolescência

Autor: Jonathas Rafael dos Santos
Data: 28/03/2016
RESUMO

Este artigo teve por objetivo analisar, com o auxílio da revisão bibliográfica dos estudos psicanalíticos freudianos, o que os professores representam para adolescentes em fase escolar, deste modo, aproximando a psicanálise da pedagogia. Sua ideia central é que, devido às descobertas de um pai faltoso, impotente e falho, por parte das adolescentes e dos adolescentes, estes elegem seus professores como sub-rogados paternos.

Corroborando essa pressuposição, o presente artigo quer colaborar com professores, tanto na avaliação de suas visões, métodos e práticas educacionais quanto, por consequência, na formação de caráter de adolescentes. Além disso, quer colaborar na desmistificação da ideia, ainda tão presente em nossa cultura, de que os professores são única e exclusivamente responsáveis pela transmissão de um conhecimento inacessível e pela imposição da disciplina, portanto, isentos de qualquer manifestação de afeto.

Palavras-chave: Psicanálise freudiana, educação, adolescência, professores, substitutos paternos.



INTRODUÇÃO

Nunca é demais uma produção científica que aborda problemáticas concretas, ao contrário das que abordam questões abstratas, muito pouco aplicáveis e distantes do estado real de coisas de determinada sociedade. A educação, juntamente com seus subsequentes temas, sempre faz parte do primeiro tipo de problemática, pelo menos tinha de ser assim compreendida. Ora, pois, pensar e repensar a educação, ponderando seus aspectos teórico-práticos, implica mudanças, novas posições perante a realidade, cidadania, enfim, conscientização. Uma educação opressora será a que menos contribuirá para o progresso civilizatório. É imprescindível avaliar nosso saber-fazer e nos esforçar por equipará-lo à sociedade a fim de resolver seus problemas e suprimir suas necessidades, isto serve para todos os profissionais.

Diante disso, este artigo tem por objetivo analisar, com o auxílio da revisão bibliográfica dos estudos psicanalíticos freudianos, o que os professores representam para adolescentes em fase escolar, deste modo, aproximando a psicanálise da pedagogia. De um modo geral, a figura do professor diz respeito única e exclusivamente àquele que transmite um conhecimento inacessível e que é responsável pela imposição da disciplina, portanto, isento de qualquer carga de afeto por parte dos educandos. Desde já, porém, é importante dizer que essa conclusão é bastante superficial e, muito pelo contrário, os professores são objeto de fortes cargas de afeto por parte dos educandos, neste caso adolescentes, já que assumem o lugar paterno em suas fantasias, conforme será corroborado nas páginas seguintes.

A confirmação dessa hipótese implicará contribuições tanto para o âmbito acadêmico quanto para a sociedade. Em relação às primeiras contribuições, reforçará ainda mais a interdisciplinaridade da psicanálise com outras ciências não psicológicas e auxiliará os professores na avaliação de suas visões, métodos, práticas educacionais e, por consequência, na formação de caráter de adolescentes. Em relação às segundas contribuições, intimamente relacionadas às primeiras, promoverá consciência crítica a respeito da representação dos professores, evidenciando o quanto estes são importantes no processo de formação do sujeito e desmistificando a ideia de que são apenas transmissores de conhecimentos e responsáveis pela imposição da disciplina.

Para efeito de melhor compreensão, foi elaborado da seguinte maneira. Na seção Psicanálise e suas perspectivas psicológica e educacional, a título de contextualização, evidenciou que a psicanálise possui sua perspectiva psicológica, mas, além disso, possui perspectivas não psicológicas, sobretudo educacional. Na seção O primeiro amor, suas demarcações e implicações: introdução à linha de raciocínio, elucidou os conceitos psicanalíticos "Complexo de Édipo", "Ambivalência de Sentimentos", "Castração" e "Identificação", a fim de fornecer a base da hipótese deu seu problema de pesquisa. Na seção Da destruição do ideal paterno e da eleição dos professores enquanto seus substitutos na adolescência, buscou, portanto, corroborar a hipótese de seu problema de pesquisa. Por fim, aduziram-se as considerações finais.

  Próxima

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2017 Só Pedagogia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.