Artigos Pedagógicos
  Avaliação Educacional
  Escola Digital
  Educação a Distância
  Educação Inclusiva
  Educação Infantil
  Estrutura do Ensino
  Filosofia da Educação
  Jovens e Adultos
  Pedagogia Empresarial
  Outros Assuntos
 História da Educação
 Linhas Pedagógicas
 Metodologia Científica
 Projetos/Planejamento
 Biografias
 Textos dos usuários

 Listar Todas
 Por Níveis
  Educação Infantil
  Ensino Fundamental I
  Ensino Fundamental II
 Por Disciplinas
  Matemática
  Língua Portuguesa
  Ciências
  Estudos Sociais
  Língua Inglesa
  Língua Espanhola

 Jogos On-line
 Desenhos para Colorir
 Contos e Poesias

 Glossário
 Laifis de Educação
 Estatuto da Criança
 Indicação de Livros
 Links Úteis
 Publique seu Artigo
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

  
Desafios da Educação Ambiental em um Mundo Consumista

Autor: Luana Peixoto Rosa
Data: 07/12/2015
RESUMO

Tendo no centro das discussões os "Desafios da Educação Ambiental em um mundo consumista", o presente artigo visa elencar os desafios desta temática. Um assunto tão atual e imprescindível ao debate no espaço educacional, com um público inserido numa realidade consumista.

A Educação Ambiental tornou-se um tema em voga, mas ainda perpassa por alguns desafios em sua implantação no sistema educacional, tais como: a desvalorização de sua abordagem como herança histórica; as disposições previstas em lei pela Política Nacional de Meio Ambiente para sua implantação na educação nacional que não ocorre na prática como deveria, fruto desta herança citada anteriormente; da influência que os produtores de petróleo exercem sobre o Estado forçando-o a não investir em novas fontes de energias renováveis; do papel da educação na formação dos alunos que serão o futuro das tecnologias sustentáveis; e a desvalorização na formação dos educadores sobre este tema.
   
Palavras-chave:
Educação Ambiental, desafios, escola

1 INTRODUÇÃO


Como revisão bibliográfica, os desafios da Educação Ambiental que busco abordar em minha pesquisa sobre a perspectiva da educação, criticam a falta de efetiva e ampla abordagem da questão ambiental no cotidiano escolar. Que ora é trabalhada de forma reducionista nas salas de aula, limitando-se a datas comemorativas como, dia da árvore, dia do meio ambiente e primavera. Descontextualizada da realidade dos alunos e desvinculada das demais áreas do conhecimento. Ora esquecido em meio a rotina de atividades no cumprimento do currículo. Bem como, refletir sobre o respaldo legal que regulamenta a sua presença de forma integrada ao currículo escolar. E analisar os problemas ambientais que vêm assolando o planeta nas últimas décadas e os interesses dos produtores de petróleo que forçam o Estado a não investir em fontes de energias renováveis.  Além de conhecer o panorama histórico do estudo em questão, que influenciam nas mazelas ambientais dos dias atuais.


2  LEVANTAMENTO DOS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ESPAÇO ESCOLAR

Historicamente, a Educação Ambiental no Brasil encontrou dificuldades em receber a devida visibilidade. Dias (2010) descreve que durante a década de 70 ainda não havia no Brasil no setor da educação, mobilizações que apoiassem a Educação Ambiental. Devido ao desinteresse dos políticos que atuavam na época e por falta de política educacional ajustada.

Iniciou-se uma ação em torno da Educação Ambiental por parte dos órgãos estaduais brasileiros, influenciados pela nítida perda de qualidade de vida já com debate bem difundido internacionalmente.

A questão ambiental nunca foi o foco das atenções do Estado como mencionado por Dias (2010), acima. E continua sem receber adequada ênfase nas discussões sobre alternativas sustentáveis para a melhoria da qualidade de vida da humanidade. Pois, segundo o exposto no documentário "A última hora" (Conners, 2007), por submissão aos produtores de combustíveis fósseis, o Estado desconsidera outras alternativas sustentáveis como fontes de energia favoráveis ao meio ambiente e à vida humana. Fato que reflete nas possibilidades de investimentos no trabalho em educação ambiental.

O nosso planeta tem apresentado inúmeros desequilíbrios naturais. O documentário "Home" (Bertrand, 2009), expõe estes problemas ambientais como: a desigualdade socioeconômica devido ao fracasso do planejamento de desenvolvimento da sociedade, gerando fome, doenças e alto nível de poluição das águas; o aquecimento global culmina no derretimento das geleiras e consequentemente, o avanço dos mares, levando a população dos litorais a terem de migrar para outras regiões. Estes problemas já estão ocorrendo e poderão se agravar nos próximos anos, caso não cessem as ações do homem na exploração da natureza em detrimento de seu desejo desenfreado de consumo.

A educação é o único recurso que garantirá as renovações necessárias no modo de vida das pessoas. Parafraseando Jacobi (2005), a prática da Educação Ambiental deve ser vista como uma reflexão sobre os riscos ambientais à que a sociedade se expõe atualmente.

A efetiva implantação da Educação Ambiental no cotidiano escolar depara-se com alguns desafios, que Jacobi (2005), aponta como sendo a fragmentação do conhecimento, o fortalecimento da educação para a cidadania ambiental, configurada como parte integrante para a formação de um cidadão de fato.

A discussão sobre a Educação Ambiental segue por duas vertentes: o conservador e o emancipatório.

No padrão conservador que faz uma abordagem reducionista mencionada por Dias (2010), no "surgimento do ambientalismo nos Estados Unidos a partir de 1960" em que começam a ser debatida a questão ambiental de forma limitada. E assim se faz na prática conservadora da temática ambiental no ensino, de forma descontextualizada.

No eixo emancipatório leva em conta a Educação Ambiental Crítica. Que ocorre através da apreensão de aspectos da realidade a partir de algumas categorias conceituais, próprias do processo pedagógico.

A capacitação de profissionais reflexivos, que possam desenvolver uma prática pedagógica integrada ao meio ambiente de forma emancipatória como o citado primeiramente, também é um desafio.

O restrito debate sobre Educação Ambiental na formação dos educadores, dificulta a aceitação desta no meio educacional. Visto que na Política Nacional de Educação Ambiental nº 9.795/99, seção I, Art. 8º no inciso I, determina que a educação em geral e a educação escolar devem exercê-la capacitando os recursos humanos. E sendo na seção II, Art. 10º, determinada a sua prática integrada, contínua e permanente no ensino formal em todos os níveis. Entretanto, diante de tal restrição, no cotidiano escolar não ocorre esta abordagem. Descaso fruto de sua herança reducionista citada anteriormente.
  Próxima

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2017 Só Pedagogia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.