Artigos Pedagógicos
  Avaliação Educacional
  Escola Digital
  Educação a Distância
  Educação Inclusiva
  Educação Infantil
  Estrutura do Ensino
  Filosofia da Educação
  Jovens e Adultos
  Pedagogia Empresarial
  Outros Assuntos
 História da Educação
 Linhas Pedagógicas
 Metodologia Científica
 Projetos/Planejamento
 Biografias
 Textos dos usuários

 Listar Todas
 Por Níveis
  Educação Infantil
  Ensino Fundamental I
  Ensino Fundamental II
 Por Disciplinas
  Matemática
  Língua Portuguesa
  Ciências
  Estudos Sociais
  Língua Inglesa
  Língua Espanhola

 Jogos On-line
 Desenhos para Colorir
 Contos e Poesias

 Glossário
 Laifis de Educação
 Estatuto da Criança
 Indicação de Livros
 Links Úteis
 Publique seu Artigo
 Fale Conosco

 
Busca Geral

 

  
Construção do Conhecimento e Teorias da Aprendizagem

(Página 2)
1.1    Objetivos

Constitui objetivo geral deste trabalho, enfocar uma contextualização generalizada das referências das teorias de aprendizagem aplicadas na formação do professor.
Constituem objetivos específicos:

    a) Entender a aprendizagem como construção de conhecimento;

    b) Fazer com que os alunos aprendam e se desenvolvam na medida em que possam construir significados em torno de conteúdos;

    c) Enfatizar que ao construir significados, os saberes adquiridos formarão uma teia de conhecimentos.

1.2 Procedimentos Metodológicos

    O processo metodológico baseou-se através de pesquisas exploratórias (GIL, 2002, p. 41) que têm como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vista a torná-lo mais explícito ou a construir hipóteses.

    Pode-se dizer que tais pesquisas têm como objetivo principal o aprimoramento de ideias ou a descoberta de intuições. Seu planejamento é, portanto, bastante  flexível,  de  modo  que  possibilite  a  consideração  dos  mais  variados aspectos  relativos  ao  fato  estudado. 

    Na maioria  dos  casos,  essas  pesquisas  envolvem:  (a) levantamento  bibliográfico;  (b)  entrevistas  com  pessoas  que  tiveram  experiências  práticas com  o  problema  pesquisado;  (c)  análise  de  exemplos  que  "estimulem  a  compreensão". (SELLTIZ,  1967, p. 63)

    Embora o planejamento da pesquisa exploratória seja bastante flexível, na maioria dos casos assume a forma de pesquisa bibliográfica ou de estudo de caso. Em se tratando  de  pesquisas  descritivas  (GIL,  2002,  p.  42)  têm  como  objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento  de  relações  entre  variáveis.  São  inúmeros  os  estudos  que  podem  ser classificados sob este título e uma de suas características mais significativas está na utilização de  técnicas  padronizadas  de  coleta  de  dados,  tais  como  o  questionário  e  a  observação sistemática.

    Já a pesquisa  bibliográfica  (GIL,  2002,  p.  44)  é  desenvolvida  com  base  em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. Embora em quase  todos  os  estudos  seja  exigido  algum  tipo  de  trabalho  dessa  natureza, há pesquisas desenvolvidas  exclusivamente a partir  de  fontes  bibliográficas. Boa parte dos estudos exploratórios pode ser definida como pesquisas bibliográficas.
  
    As pesquisas sobre ideologias, bem como aquelas que se propõem à análise das diversas posições acerca de um problema, também costumam a ser desenvolvidas quase exclusivamente mediante fontes bibliográficas.

    Sendo assim, tal estudo possibilita  focalizar  a  realidade  de  forma  profunda  e contextualizada,  utilizando-se  várias  fontes  de  informação,  sejam  elas,  através  de  sites especializados  no  tema,  tais  como:  Revista  Eletrônica;  e  pesquisa bibliográfica na qual aprofundam e discutem o tema.  Dessa forma, utilizamos os artigos acadêmicos, disponibilizados virtualmente, os quais foram de grande fortuna crítica para o desenvolvimento deste trabalho.

1.3  Estrutura do trabalho

O TCC está esquematizado da seguinte forma:

O capítulo 2, a seguir, trata do referencial teórico, ou seja, abrange breves considerações teóricas a respeito da contribuição piagetiana para a formação do construtivismo e consequentemente implicam na formação do professor, pois, de acordo com o conceito de Piaget, o sujeito procura ajustar o objeto aos seus esquemas de compreensão. Por sua vez, o conhecimento não nasce com o indivíduo, nem é dado pelo meio social. Sendo assim, sujeito constrói seu conhecimento na interação com o meio tanto físico como social.

O terceiro capítulo resgata uma rica revisão a partir de uma perspectiva de formação da prática docente, procurando incentivar os professores a assumirem a autoria de suas experiências.

Enquanto a tomada de consciência das ações permitirá a renovação dos compromissos e as responsabilidades como professores. Ao propor uma estratégia e forma de aprendizagem com a finalidade de expor teoricamente elementos que buscam valorizar e orientar um estudo aprofundado sobre a teoria construtivista no âmbito escolar. Procura-se situar epistemologicamente a temática no contexto da escola atual, da pedagogia seletiva e tradicional e do professor, partindo de uma perspectiva Piagetiana, e, consequentemente buscando por uma pedagogia diferenciada. 

    Por outro lado, o Capítulo 4, discute a importância da teoria da educação e as contribuições Walloniana na formação do pensamento infantil, na qual uma educação humanista considera todas as disposições que constituem o homem por completo, mesmo estando desigualmente repartidas entre os indivíduos, pois qualquer indivíduo potencialmente pode se desenvolver em qualquer direção, a depender de seu aparato biológico e das condições em que vive.

    Por fim, nas considerações finais, procura-se concluir de forma sintetizada o conceito das teorias de aprendizagem e a prática docente. 

Anterior   Próxima

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

Sobre Nós | Política de Privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale Conosco

Copyright © 2008-2017 Só Pedagogia. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.